268. Amish

VISITE : Professor Clebinho - Youtube

Fala meu povo!

Vocês conhecem um grupo que, em pleno século XXI, não usa tecnologia nem energia elétrica?

Para entender os Amish a história é longa. No século XVI ocorreu a Reforma Protestante, emergindo várias correntes religiosas cristãs. Uma delas foi a Anabatista, acreditando que crianças não deveriam ser batizadas, somente adultos. Dessa forma, a pessoa escolhia passar pelo processo, tendo noção do que o ato realmente representa.

 

Um líder anabatista foi o holandês Menno Simons, considerado o fundador do movimento Menonita, ligado literalmente a Bíblia.

Simons, imagem ao lado, foi um teólogo originário da Frísia, região litorânea que ia da Holanda a Dinamarca. Foi ordenado padre católico em março de 1.524. É considerado um dos reformadores mais radicais de toda história.

Os Amish formam uma dissidência desse grupo, por incrível que pareça ainda mais ultraconservadores. O termo surgiu do suíço Jakob Amman e seus seguidores passaram a ser conhecidos como Amish.

Não existe nenhuma imagem real de Amman, mas um esboço de como ele deveria ser, embasado em relatos da época. Vejam ao lado na imagem.

No início do século XVIII chegaram aos EUA, em especial na Pensilvânia. Atualmente, estão em 28 dos 50 estados norte-americanos, um total de 200 a 300 mil adeptos. Pelo desenho, parecem realmente replicar o criador.

Sempre perseguidos, criaram o costume de rezar em casa, não nas igrejas. Até hoje são assim. Não são evangelizadores e se tornar um Amish é tremendamente difícil. Tem que saber falar seu dialeto, parecido com o alemão e ser aceito por todos da comunidade.

Família Amish, geralmente enorme, passeando em uma típica charrete, já que não usam automóveis. Imagem: Internet.

Como são radicalmente pacifistas, não ingressam nas Forças Armadas. As bonecas das crianças não têm faces, para desencorajar vaidades. Pelo mesmo motivo, não tocam instrumentos musicais. As músicas são proibidas por serem mundanas.

Exemplo de bonecas Amish sem qualquer feição. Imagem: Internet.

São patriarcais e as mulheres, em geral, se ocupam dos trabalhos domésticos. Os homens lidam na agricultura ou carpintaria. Após casarem podem cultivar uma barba, bigodes são proibidos.

São aversos a tecnologia. Acreditam que isso poderia levá-los ao pecado e a dissolução da família. Como se fossem distrações. Não usam sequer luz elétrica muito menos automóveis. Só usam faróis em suas charretes porque uma lei obrigou.

Visual tradicional dos Amish, com barba mas sem bigode. Imagem: Internet.

Aos 16 anos podem fazer o que quiserem, em uma fase que se chama Rumspringa. Uns bebem, outros dirigem carros, alguns até exageram. Depois, escolhem se ficam ou não na comunidade, voltando, é claro, a respeitar as proibições.

Antes de julgar nossos distintos personagens, tenho um dado interessante. Cerca de 80% a 90% dos jovens escolhem ficar e permanecer Amish.

Siga o Professor Clebinho nas redes sociais, clique nos links: Facebook       Instagram      Linkedin      Youtube

Publicado em 03.09.2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *