77. Guerra do Paraguai – Devastação Total

Em nossos dois posts recentes, acompanhamos as causas e o desenrolar da  Guerra do Paraguai. Tivemos embates nos rios, em campos de batalhas, vitórias e derrotas para ambos os lados. A tomada da Fortaleza de Humaitá, foi um enorme passo para a vitória brasileira.

Dezembrada

Após a fantástica Manobra  do Piquissiri, abordada em nosso texto anterior, 23 mil soldados brasileiros chegaram pela retaguarda dos paraguaios, surpreendendo Lopez. Ao invés de seguir para a capital, nossos soldados se voltaram para o sul com o objetivo de aniquilar as forças paraguaias.

A “dezembrada”, como ficou conhecido este momento,  ocorreu em 1868 e foi composta pelas batalhas de Itororó (6 de dezembro), de Avaí (11 de dezembro), de Lomas Valentinas (21 e 27 de dezembro) e terminou com a Rendição de Angustura (30 de dezembro). Foi o mês que resolveu o conflito.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/11/Pal%C3%A1cio_Pedro_Ernesto_-_Batalha_do_Ava%C3%AD_-_c%C3%B3pia.jpg

Batalha do Avaí por Pedro Américo. Reprodução: Internet

.

O caminho até  Assunção estava totalmente livre. As tropas brasileiras se dirigiram para a capital, evacuada pelos paraguaios e ocupada em 1º de janeiro de 1869.

Caxias, cansado, com problemas de saúde e o sentimento de dever cumprido, não concordava com a continuação da guerra. Para nosso comandante, a tomada da capital havia sido o último capítulo. Por outro lado, Dom Pedro II estava obcecado, queria a captura de Solano Lopez. Não concordando, Caxias voltou para o Brasil, fato que desgostou bastante nosso imperador.

Muitos oficiais e voluntários acompanharam nosso líder, também pedindo dispensa após a baixa do responsável direto pela vitória das nossas tropas.

Um último e doloroso capítulo ainda estava por vir e ele formou as páginas mais tristes desta guerra. Um  massacre imposto ao Paraguai pelas tropas imperiais brasileiras.

Conde d’Eu

o-castelo-de-papel-capa

Livro lançado por Mary de Priore sobre a Princesa Isabel e o Conde d’Eu.
Leia mais em Botequim Cultural.

Dom Pedro II enviou seu genro para o Paraguai com o intuito de substituir Caxias e capturar Lopez. O francês Luís Filipe Gastão de Orléans, conhecido como Conde d’Eu, era marido da princesa Isabel e um dos poucos membros da família imperial com experiência militar.

Nesta fase final da guerra, Lopez juntou seus trapos, fugiu para o norte do país e formou um novo exército com 5 mil homens, em sua maioria crianças, soldados semi inválidos e idosos.

Em agosto de 1869, 12 mil homens comandados por Conde d’Eu cercaram as debilitadas tropas paraguaias. As tropas brasileiras venceram  a batalha de Peribebuí (12 de agosto), para onde López havia transferido sua capital.Vários prisioneiros de guerra foram degolados pelos soldados brasileiros, totalmente desequilibrados após quase 5 anos de duras batalhas.

Na batalha seguinte, Campo Grande, um novo massacre. Brasileiros atropelaram um contingente de adolescentes recrutados a força por Solano Lopez.

É óbvio que não foi culpa do Brasil a formação de um exército de crianças, mas nossos comandantes não poderiam ter aceitado uma guerra nestes termos. Até barbas postiças eram usadas pelos jovens combatentes paraguaios para que parecessem mais velhos.

Esta derrota paraguaia marcou o fim das batalhas. A partir deste momento, Lopez se embrenhou na mata com seus últimos 200 homens.

Morte de Solano Lopez

solano

Mais uma imagem de Solano Lopez. Reprodução: Internet.

No dia 1º de março de 1870, as tropas do general José Antônio Correia da Câmara, o Visconde de Pelotas, surpreenderam o último acampamento paraguaio, em Cerro Corá.

Solano Lopez foi ferido durante a batalha pela lança do cabo denominado Chico Diabo e depois baleado nas margens do arroio Aquidabanigui, após recusar-se à rendição.

Dom Pedro II queria a prisão do ditador, mas não foi possível.

Descontroladas,  nossas tropas atearam fogo nos acampamentos e assassinaram civis, feridos e doentes. Um massacre.

Em 20 de junho Brasil e Paraguai assinam um acordo preliminar de paz, ratificado em 1872.

Consequências

A grande verdade é que não houveram vencedores nesta guerra. Todos perderam.

O Paraguai teve sua população reduzida de 500 mil habitantes para 200 mil. Entre mortos em batalha, fome e doenças, 60% da população do país foi dizimada. Além da destruição completa de toda infraestrutura da nação. Não bastasse isso, Brasil e Argentina ainda ficaram com pedaços do território do pequeno vizinho.

Durante anos, Solano Lopez foi considerado o grande culpado pela guerra, mesmo no Paraguai. Porém, nos últimos anos, uma releitura da biografia do ditador vem sendo feita, de forma a vê-lo como um homem que lutou pelos interesses de seu país.

Percentualmente eu desconheço algum conflito que tenha aniquilado um país desta maneira. Hoje, o Paraguai é um dos países mais pobres das Américas, ainda consequência direta desta devastação, como pode ser lido no site G1.

Abaixo, um resumo do que foi a Guerra do Paraguai. As estrelas representam as principais batalhas rumo a Assunção. O pontilhado nos mostra a extensão máxima controlada pelo Paraguai. O hachurado representa os 150 mil Km² perdidos pelo Paraguai para o Brasil e Argentina e a cruz assinala o local de morte de Solano Lopez.

mapa5

Resumo

A pequenina força uruguaia perdeu 3.100 dos  5.600 homens envolvidos.

A Argentina perdeu cerca de 18 mil combatentes dentre os quase 30 mil envolvidos. Outros 12 mil civis morreram devido a doenças e fome, após a invasão paraguaia.

O Brasil saiu da guerra com uma dívida expressiva, que nos custou algo próximo a 11 anos do orçamento anual. A Inglaterra foi nosso principal credor internacional e ficamos atrelados ao país europeu. Esse fato levantou a hipótese de que os britânicos tinham interesse nesta guerra, mas isso nunca foi consenso entre os historiadores.

Levamos cerca de 150 mil homens ao conflito com algo próximo a 50 mil mortes. Para comparação, em nossa participação na II Guerra Mundial, enviamos cerca de 25 mil soldados com 443 baixas.

Outra importante consequência  foi o acirramento da discussão sobre o fim da escravidão. Como levar negros para lutarem pelo nosso país em uma terrível guerra se aqui dentro alguns ainda eram escravos? Impossível se explicar. A abolição chegou em 1888.

Para finalizar, tivemos o fortalecimento do exército brasileiro, que saiu do conflito como uma instituição de respeito, responsável direta pela manutenção e proteção de nosso território. Anos mais tarde, em 1889, vários oficiais que lutaram na Guerra do Paraguai deram um golpe, retirando a família real do poder e instituindo a República.

Mesmo sabendo que o Paraguai foi o causador do conflito, em seu final, a guerra foi muito mal conduzida pelos comandantes brasileiros, que pouco fizeram para conter uma tropa dominada pelo ódio, gerado por anos de batalha.

Se não foi genocídio o que cometemos, foi algo muito próximo a isso. Uma mancha indelével em nossa história que carregaremos em nosso carma como nação.

Espero ter aumentado seu conhecimento.  Curta nossa página no Facebook e compartilhe nosso texto! Abraço do Clebinho!

Publicado em 14.10.2015

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *