25. A Guerra Fria No Esporte

Na Grécia antiga, até mesmo as guerras eram interrompidas, para que se disputassem os jogos olímpicos da antiguidade. Nos tempos modernos, o que ocorreu foi exatamente o contrário, por várias vezes, as competições é que foram interrompidas ou diminuídas por guerras e disputas ideológicas. Meu 2º texto  sobre o uso indevido do esporte é sobre a Guerra Fria, ocorrida durante a segunda metade do século XX. (leia o 1º texto)

https://historiablog.files.wordpress.com/2009/09/ancientgames.jpeg

Pintura ilustrando os Jogos Olímpicos na Grécia Antiga. Imagem:Internet

.

Guerra Fria

Ao longo da segunda metade do Século XX, o mundo presenciou uma verdadeira disputa política, econômica, bélica e ideológica, entre EUA (Estados Unidos) e a URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). Em vários momentos,  capitalistas e comunistas se enfrentaram, disputando a supremacia mundial, foi assim na Guerra da Coreia, na Guerra do Vietnã, durante a corrida espacial e também nas olimpíadas. Como as duas potências nunca se enfrentaram diretamente, este período ficou conhecido como Guerra Fria.

EUA (Tio Sam) x URSS (Urso), disputavam a hegemonia mundial  Reprodução: profclaugeohist.blogspot.com.br

EUA (Tio Sam) x URSS (Urso), disputavam a hegemonia mundial
  Reprodução: internet

.

 Moscou 1980

Um dos episódios dessa disputa respingou diretamente no esporte. No ano de 1980, a União Soviética iria sediar os jogos. Era a grande chance soviética de mostrar um país  moderno e pujante. Foi armada uma festa impressionante, a ideia era mostrar ao mundo que o comunismo era e melhor opção. Os soviéticos também tinham como meta mostrar um país mais simpático, vivo,  com sentimentos, diferente do que a propaganda ocidental afirmava.

Abertura das Olimpíadas de 1980. No painel a imagem de Lênin, um dos fundadores da URSS. Foto: Internet

.

Os EUA, por sua vez,  não tinham interesse algum no sucesso dos jogos. Utilizando como desculpa a invasão do Afeganistão pela URSS, os Norte-americanos se recusaram a enviar seus atletas. Não satisfeitos, influenciaram grande parte do bloco ocidental e 69 países aderiram ao boicote de alguma maneira. Como exemplos, Alemanha Ocidental, Canadá e Japão não enviaram delegações,  França, Itália e o Reino Unido, apoiaram o boicote, mas deixaram seus atletas decidirem-se por eles mesmos. Suas delegações, muito menores do que eles normalmente mandavam aos Jogos Olímpicos, não representaram as bandeiras nacionais, mas sim, a olímpica.

Criado na edição de Munique, em 1972, o mascote olímpico atingiu seu apogeu na Olimpíada de Moscou. Ainda hoje, o  urso Misha é considerado o mais simpático de todos e encantou o mundo na cerimônia de encerramento dos jogos, quando um painel humano, no Estádio Olímpico, simulou um lágrima do ursinho na despedida aos atletas.

http://sportige.com/wp-content/uploads/2012/04/Misha-1980.jpg

O Simpático Misha, chorando pelo fim dos jogos. Emocionou o mundo. Imagem: Internet

.

A festa foi grande, as olimpíadas e o mascote foram um sucesso, mas o nível técnico das disputas, obviamente, foi comprometido pelo boicote.

O troco, Los Angeles 1984

Em 1984, veio a  revanche, as olimpíadas seriam disputadas em Los Angeles, 2º maior cidade dos EUA. Dessa vez, o boicote foi encabeçado pela URSS. Quase todo o bloco comunista se recusou a enviar suas delegações, alegando falta de segurança para seus atletas. URSS, Cuba, Alemanha Oriental, Coreia do Norte,  e grande parte do leste Europeu aderiu ao boicote.

estadioolimpicola

Abertura das olimpíadas de Los Angeles 1984. Imagem: Internet.

.

Centenas de atletas se prepararam por anos e não puderam disputar o momento máximo do esporte, que são as olimpíadas.  Medalhas de ouro foram conquistadas, mas ninguém nunca irá saber quem realmente deveria ser o vencedor, caso todos os atletas estivessem presentes.

Um duro golpe ao espírito olímpico, decidido em gabinetes, pelos governantes. Um triste episódio do uso indevido do esporte, irreparável!

EUA e URSS só se reencontraram novamente em 1988, nas olimpíadas de Seul, com vitória soviética, que conquistou 55 medalhas de ouro, contra 36 dos norte-americanos. O enorme número de medalhas das duas potências, em 1988, só  comprovou a deterioração do nível técnico nos dois jogos anteriores, onde ocorreram os boicotes.

Próximo domingo, fechando a série, o maior atentado terrorista já ocorrido em um evento esportivo.

Espero ter aumentado o conhecimento de todos os leitores. Curta nossa página no Facebook e compartilhe nosso texto! Abraço do Clebinho!

Publicado em 15.04.2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *